Easy like a vida real 

Busca lá no catálogo do Netflix -> “Easy”. Dica para tornar o processo interessante: abre uma cerveja antes do play, presta bastante atenção e liga pra alguém depois pra marcar um bar, beber mais e discutir o tema do episódio em questão. Repita o processo oito vezes (antes e depois das oito histórias da primeira temporada). É lindo lindo.

Funciona da seguinte maneira: são 30 minutos (ótima opção pra intercalar com outras séries de longa duração) e cada capítulo é independente do outro. Novos personagens, novos dramas, sempre relacionamento, sexo e Chicago. Quem dirige é o Joe Swanberg, estreante no universo das séries. Bom começo.

Eu devorei de cara, porque é simplesmente impossível não refletir sobre cada drama (carregado de ironia e com tons de comédia). É impossível não se colocar no lugar dos personagens e tentar desenhar como você agiria naquela situação.

Um casal que está junto há tempos e quer dar um up na vida sexual. Ou um escritor que vive de relatar seus romances desastrosos e prova do próprio veneno quando transa com uma estudante de fotografia que ama selfies. Ou ainda um futuro pai frustado no seu emprego que sonha em abrir uma cervejaria ilegal. Ou a menina que, pra agradar a namorada, tenta ser exatamente como ela e adota o estilo vegano (apesar de sonhar com bacon). É tudo que a gente vive, em suas devidas proporções, sendo você solteiro ou casado, amante de bacon ou não.

O mais legal é que a reflexão não é rasa, apesar dos 30 minutos. É tipo sessão de terapia. Você sai pensando e pensando e pensando e tira suas próprias conclusões e avalia como anda o seu drama particular (porque sempre temos algum). É vida real mesmo, dessa nossa, seja da casinha dos 20, dos 30, dos 40…

Play e depois me conta o que achou? 🙂

Easy Orlando Bloom

Easy escritor

Easy espanhol

Eu e você na tela da Juliana

Conheci a aquarela da Juliana Rabelo no Pinterest no meio de um dia caótico. Respirei por um segundo e corri para seguir a moça nas mil redes sociais. Tem de tudo um pouco, meninices sem fim, ministra cursos e aceita encomenda. Ah, e esse post não é publi 😉

Óh só:

rabelo 1 rabelo 2 rabelo 3 rabelo 4 rabelo 5 rabelo 6

Conta que eu Conto indica: Ani diFranco

Foi o sempre ótimo e super entendido de música – porque, afinal de contas, é filho de músico e vive disso – Heitor Lima que me apresentou a bela moça acima. Acho que foi logo depois que ela lançou “Knuckle Down”, em 2005. “Tem uma pegada meio do Lenine”, ele disse. Me apaixonei na hora que comecei a escutar, não só pela tal pegada que o Heitor falou, mas também pelas letras belíssimas.

Ani tem cara de “hippie pé-sujo”, não tem? Se ela estudasse na PUC – SP ia viver no Centro Acadêmico Benevides Paixão tocando sua viola e fazendo a noite de geral. No duro, Ani tem essa coisa “vou mudar o mundo”. Participa de várias passeatas por aí, é referência lá fora quando se fala em direitos das mulheres e é dona do próprio nariz – e do próprio selo!

O último CD, “Red Letter Year”, é incrível! Não sinto mais tanto aquela tal “pegada Lenine” que o Heitor disse lá no começo da história. Ani colocou mais sons na bagunça guiada pela batida nervosa nas cordas do seu violão. Sempre surpreendente e deliciosa de se ouvir sua música… Deixo abaixo letra e vídeo de “32 Flavors”:

Squint your eyes and look closer
I’m not between you and your ambition
I am a poster girl with no poster
I am thirty-two flavors and then some
and I’m beyond your peripheral vision
so you might want to turn your head
cause someday you’re going to get hungry
and eat most of the words you just said

both my parents taught me about good will
and I have done well by their names
just the kindness I’ve lavished on strangers
is more than I can explain
still there’s many who’ve turned out their porch lights
just so I would think they were not home
and hid in the dark of their windows
til I’d passed and left them alone

and god help you if you are an ugly girl
course too pretty is also your doom
cause everyone harbors a secret hatred
for the prettiest girl in the room
and god help you if you are a pheonix
and you dare to rise up from the ash
a thousand eyes will smolder with jealousy
while you are just flying back

I’m not trying to give my life meaning
by demeaning you
and I would like to state for the record
I did everything that I could do
I’m not saying that I’m a saint
I just don’t want to live that way
no, I will never be a saint
but I will always say

squint your eyes and look closer
I’m not between you and your ambition
I am a poster girl with no poster
I am thirty-two flavors and then some
And I’m beyond your peripheral vision
So you might want to turn your head
Cause someday you might find you’re starving
and eating all of the words you said

Conta que eu Conto indica: Raul Midón

Hey, Brazil!

Eu não me recordo direito como conheci o som de Raul Midón. Só sei que na hora me encantei. O cara trata seu violão como se fosse uma mulher por quem é apaixonado: ele faz carinho, briga, puxa com força, toca suave e cria um ambiente simplesmente delicioso. A primeira música que escutei foi “State of Mind”, no Youtube mesmo, quando ele foi no Letterman. Sempre com uma boina ou chapéu ou algo parecido na cabeça e de óculos escuros, já para anunciar a real cegueira, Midón toma conta da cena.

A batida no violão tem altos e baixos, assim como sua voz. Ele parece que faz tudo sem nem pensar. Assim, fácil fácil. O Du também adorou o som do cara, e foi tentar tocar alguma coisa – a gente achou um tutorial na internet. Nem passo por passo em slowmotion deu certo. O jeito é apreciar mesmo. Deixo para vocês a letra e o vídeo de “State of Mind”. Mas vale procurar também as canções de “A World Within a World”:

State of Mind – Raul Midón
Used to sit and worry about the future
Worrying about the future don’t change the past
Used to think that tomorrow would be better
But now i know that i’m doing the best i can
I’m just a man trying to find the reasons why i stand
Took some time to realize that i am what i am
And i wanna be rich, i wanna be happy
And live inside a love that shines bright enough to last a lifetime
I wanna be rich more than a fantasy
Ride the winds and climb, cause it’s all a state of mind

Wake up in the morning and i turn the pages
Don’t understand what’s going down
Everybody’s acting so outrageous
It’s gonna take a lot of love to turn things around
I’m just a man trying to find the reasons why i stand
Took some time to realize that i am what i am
And i wanna be rich, i wanna be happy
And live inside a love that shines bright enough to last a lifetime
I wanna be rich, more than a fantasy
Ride the winds and climb cause it’s all a state of mind

Hear people talk about going to heaven
Grab a little bit of heaven right here on earth
Troubled times lead to healing times
I was sad now i’m feeling fine
It’s the taking and the giving that makes this life worth living,
Makes this life worth living
I wanna be rich, i wanna be happy
And live inside a love that shines bright enough to last a lifetime
I wanna be rich, more than a fantasy
Ride the winds and fly,
Spread your wings and fly
Cause its all a state of mind

Ride the winds and climb,
Spread your wings and fly
Cause its all a state of mind